Literatura de fantasia ganhou espaço mundo afora entre adultos e crianças nas últimas décadas, mas muitas delas foram minimizando aspectos “duros” da vivência humana. É como se quisessem manter ou proteger a suposta inocência juvenil. Nesse ínterim, muitos escritores viram espaço para tratar até mesmo desses temas. Muitas produções literárias “abordaram então todos os temas tradicionalmente silenciados pelos adultos para salvar a mitificação da inocência” (COLOMER, 2017, p. 193) de um jovem leitor. Entendemos, assim como Teresa Colomer (2017), que “o conflito [é] uma parte inevitável da própria vida” (p. 193) e não poderia estar fora da Literatura, independentemente da idade dos leitores. Ressaltamos que partimos de nossa dissertação de mestrado intitulada Protagonistas de narrativas juvenis contemporâneas: de mãos dadas com o jovem leitor (2020), para ampliar as discussões a respeito da obra resenhada.

Dayse Rodrigues dos Santos

Acesse a resenha completa por aqui.