A leitura do Diário de Trabalho, de Bertolt Brecht, pode nos esclarecer diversos momentos do pensamento do dramaturgo alemão. Neste artigo, nos detemos mais especificamente ao período em que Brecht esteve exilado nos Estados Unidos (1941-1947). O trabalho busca compreender um pouco mais do contexto vivido por Brecht, bem como as relações de trabalho por ele estabelecidas, além de suas opiniões e discordâncias, principalmente em relação aos pensamentos do encenador Max Gorelik e do dramaturgo Clifford Odets. 

Paola P. Ferro

Elder K. I. Tanaka