O escopo deste artigo é investigar em que medida pode estar ocorrendo um silenciar de certas expressões regionais na cidade de Manaus/AM. Também procurar relacionar esse possível silenciar com o preconceito linguístico. A pesquisa tem como base os pressupostos teóricos da sociolinguística interacional. Agregado a isso, estudos referentes aos elementos que compõem o esquema interpretativo ao que se insere a Amazônia, a aspectos relacionados à formação do pensamento social amazônico e a des/construção da identidade de um povo organizam esta discussão. O estudo é classificado como descritivo em razão de estabelecer relações entre fatores relacionados às variações de natureza social (gênero, faixa etária, naturalidade e grau de escolaridade). Para formar o corpus do estudo, entrevistamos 31 informantes, todos amazonenses, durante os meses de setembro a outubro de 2012. A análise preliminar dos dados aponta que não obstante ao preconceito linguístico identificado, acreditamos que é pouco provável que ocorra o apagamento das expressões regionais estudadas. 

Maria da Conceição Queiroz Vale